sábado, 6 de fevereiro de 2010

UM SEMEADOR!

ATUALIZAÇÃO DO TEXTO: 26/11/2012 LIVRE DA INSTITUIÇÃO...DE ALGUNS MEMBROS DO CLERO...E DE DONOS DA IGREJA LOCAL .COM ESTA ATUALIZAÇÃO FINALIZO DEFINITIVAMENTE ESTA PÁGINA NA MINHA CAMINHADA.

Vivi por 25 anos ocupando cargos de liderança no Estado e na igreja local .Na maioria da vezes na posição bi-vocacional ou seja, exercia ao mesmo tempo atividade profissional. No dia 13 de maio de 2009, deixei a instituição, faz três anos e meio, graças a Deus. Não deixei a igreja de Jesus, abandonei sim, o sistema religioso, com suas estruturas selvagens, dogmas, acessórios e filosofia terrena de agir. Sei que ainda existem muitos poucos sinceros, mas existem e estão aí no nosso meio, conheço alguns. Hoje tenho 55 anos e trabalho em uma grande empresa. Na ocasião, eu tinha assumido uma postura de que à medida que o entendimento sobre a diferença entre religião e vida real com Deus veio tomando forma, passei a me posicionar de maneira clara e constante dentro da que hoje chamo de “agremiação religiosa”. Eu vinha a sete anos, discutindo algumas aberrações antibíblicas aplicadas sobre o povo, questionando inclusive ações políticas perniciosas por parte de alguns membros do“clero” e também posturas sobre qual a forma de andar com Cristo e conduzir a “igreja”. Foram tempos complicados. Não comi “o pão que o diabo amassou”...porque este alimento não desce para o estomago de quem é discípulo de Jesus de Nazaré. Quando me perceberam assim, algumas retaliações começaram Amarguei várias situações como; intrigas, isolamentos, traições, provocações e mentiras tanto de alguns membros do clero como de alguns membros da igreja local que concebiam a ideia de que são donos do empresa religiosa,  somente porque eram dizimistas e ocupavam  cargos. Estas disputas eram e são muito comuns hoje, por causa da vaidade provocada por falso poder conseguidos em eleições locais onde brigas e confusões internas sempre rondavam a comunidade chamada de cristã. O mais bizarro é que tudo foi sempre feito estilo “por trás das portas”. No corpo de membros da igreja local alguns, infelizmente não assimilaram as verdades do Evangelho simples e maravilhoso, como eu pensei que poderiam e por isso me vi várias vezes como num “campo de guerra evangélica” onde o inimigo há muito deixou de ser satanás. Está é a situação de muitas igrejas, inclusive fora dos domínios daquela que participei, mas joga se cortina de fumaça diante das pessoas, deixando transparecer que ali está tudo maravilhoso. Eu sabia que qualquer atitude da minha parte que fosse contrária aos interesses da “instituição” e de alguns que se intitulavam “donos da igreja local” e também alguns membros  “clero”, que revestidos de “autoridade” concedida por um tal “manual”,  que em muitas ocasiões prevalece sobre a Revelação de Deus na sua Palavra., seria fatal, minha cabeça com certeza iria á prêmio, sem dúvida nenhuma.

Quando comecei a discutir que o verdadeiro Templo de Deus somos nós e que o santuário era apenas um lugar um endereço qualquer que o “manual da instituição”, muitas vezes era usado como  forma de manipulação para manter alguns no poder, por exemplo( chapa para eleição de um candidato só), e outros contornos somente com base em interesses pessoais e politicos a coisa começou a ficar preta pro meu lado. Sempre defendi que a vida da igreja  deve ser de relacionamentos em amor e verdade, e a comunidade local não pode agir como muitos na porta do templo na época de Jesus e que deveríamos viver dentro da mutualidade real e bíblica e que apesar do cargo que ocupava eu era um ser igual a qualquer ser humano e me recusava sempre a “super líder” único e responsável por tudo, defendia que os membros da comunidade eram co-responsáveis pela vida da como igreja local, no sentido real da palavra, onde eu mesmo estava sujeito às mesmas dores do corpo e da alma. Exaustivamente abominei discursos de “manobra de massas” e formas de levantar fundos por manipulação. Na localidade continuei questionando os rituais propostos para se “fazer igreja”, como shows pirotécnicos, testemunhadores profissionais, na tentativa de levar todos os membros a reflexão séria do que é evangelho,  tentei discutir  o poder sufocante e exagerado dos eleitos” tanto da igreja local como de alguns membros do "clero" para administrar religião como empresa privada. Também parei de ir aos encontros de pastores, que por causa de alguns poucos, percebi que o ambiente já não era inspirador e demonstrei isto com a atitude de não freqüentar mais - Claro, aconteceu aquilo que iria acontecer com qualquer um que estivesse na minha pele - Na cúpula da instituição, na mente de expressiva minoria, mas com poderes institucionais surge o seguinte propósito: "este sujeito tem que ser banido, excluído, colocado no canto,porque se ele  alcançar mais popularidade que ele já tem, por ser de boa índole, família estruturada, correto, dedicado pode  até ganhar alguma eleição no futuro! só que ele, não faz o jogo do sistema!e  vai comprometer os alvos da nossa agremiação tanto local como estadual, pode ele acordar muitos, mostrar o outro lado da moeda, cuidado ele precisa sair do caminho." Cheguei até a ouvir a palavra “eliminado”, uma santa inquisição moderna e ao molde “evangélico”. Até uma suposta carta, que eu nunca conheci os termos, escrita por  seis pessoas da igreja local, que nunca tiveram representatividade no grupo,  tecendo críticas a minha forma de administrar a comunidade, foi arquivada pelo "clero" e até hoje não tenho conhecimento do seu conteúdo, esta atitude é no mínimo, bizarra. Pois não tive a oportunidade até o momento 25 de novembro de 2012,  de dizer se este texto contido na tal carta expressa alguma verdade. Fiquei sabendo desta carta, por terceiros. Bom, para o meu bem e de minha família, quase quatro anos se passaram depois que encerrei, simplesmente me escafedi, entreguei tudo a quem de direito, aos “donos da igreja local na ocasião" e ao principal membro do clero”. Nem fui entregar as chaves. Me despedi informalmente. Até emails tentando me achincalhar, recebi, acredite anônimos.

Tomamos outro rumo na vida pessoal e de cristão comprometido com a verdade. Vira e mexe ouço, ataques gratuitos a minha pessoa. Mas, continuo prosseguindo, esquecendo e até deixando alguns amigos para trás, pessoas muito queridas mesmo, por estes valeu a pena, mesmo sendo poucos. Peguei minha viola botei no saco, conhece este ditado? Veja outro “os incomodados que se retirem”. E assim o fiz. Durante todo estes três anos e meio, somente um colega de ministério da época, fez contatos comigo, acho que ele desistiu, deve ter seus motivos. Faz parte do caminho. Quanto a membros, meus amigos, vários me procuraram, me distanciei deles, para não deixar entender que estava dividindo  "corpo" e assim, pus é pé na estrada fora da instituição eu e minha família.

Entrei para a Instituição e do meu trabalho (profissional) vivi, não fiz dela fonte de exploração financeira e nem fama com cargos e votos. Jamais me deixei encantar com isto, que tem sido a ruína de muitos líderes. Não levei nada dela, porque ela nada me deu e Deus é minha testemunha. Sinto apenas o tempo que passou, afinal foram 25 anos. Daqui para frente é continuar a servir, junto com a minha família amada e querida, mas com uma enorme diferença, livre das amarras (algemas invisíveis) da instituição, me ré-apaixonando por Jesus a cada novo dia, ré-aprendendo muitas verdades, que durante estes anos foram esquecidas e sufocadas pelo engano de servir enxergando apenas com um olho. Estamos radiantes de felicidade, a liberdade encontrada jamais será vendida ou negociada por nenhum preço.Sou apaixonado pela minha profissão, sempre faço o melhor no meu trabalho, para sustentar minha família, como sempre fiz, com dignidade.Nestes novos tempos pude rever pessoas, inclusive membros de minha família que há mais de quinze anos não nos encontrávamos, estou revendo lugares que havia quase me esquecido, me encontrando com gente amada que fez história na minha vida e sempre contando a eles o que Jesus tem feito em nossos corações. Celebrando pequenas reuniões de adoração aqui e acolá. Aonde chegamos com um violão, as músicas são lembradas na hora, com uma palavra do evangelho, um testemunho. Durante este tempo de encontro qualquer pessoa presente tem liberdade de falar, se abrir, rir, chorar se quiser, às vezes ministramos a santa ceia, tudo com a maior simplicidade ré-aprendida no Evangelho de Jesus, em seguida oramos, mãos estendidas, afinal somos todos iguais, não estamos sobre o pequeno grupo, mas entre eles. Tudo isto nos lares, sem peso, sem fardo, sem clero, sem donos da religião, sem manuais, sem comprar terreno, sem juntas ou comissões, sem contendas, ou escândalos como quem caminha pela vida desejando ser apenas semeador de vida. Tem sido um tempo grandioso, de muitas experiências. Pelo Blog e pela Missão Esperança, temos um universo de comunhão com tantas pessoas, centenas manifestações de carinho, inclusive de gente que convivemos muito pouco,palavras de entusiasmo, muitas destas pessoas nós ainda não conhecemos, mas somos parceiros nesta viagem.

Enfim, nossa postura será sempre a de orar para que Deus traga entendimento ao sincero, luz ao quebrantado, sensibilidade espiritual para aquilo que é do alto, paixão pelo Evangelho simples e alegre de Jesus Cristo. Que o Filho de Deus volte realmente a ser o centro da vida de muitos. À medida que formos caminhando, Deus irá nos orientar sobre a sua vontade. Continuaremos a postar no blog, aquilo que tem sido aprendido sobre a Igreja, para compartilhar com alguns. Não sou contra instituição ou ministérios de ninguém, relato aqui o que aconteceu comigo e com muita gente por ai, só mais um episódio, cada um faz de sua vida o que deseja, seja bom ou ruim. Vou prosseguir, sem mágoa, afirmo que todos que participaram deste processo desgastante na minha vida estão perdoados e com quem falhei e não correspondi aos anseios, me perdoem também. Vejo um horizonte de mil oportunidades para semear a vida de Jesus. Na Missão Esperança, o endereço é o coração, não existe nenhum manual, mas sim a Palavra Revelada por Deus, muito menos clero, pois somos um corpo em Cristo que é a Cabeça. Chega dos pequenos guetos de religiosos politiqueiros, mini-sinédrios, porque temos profunda convicção que na CRUZ, Jesus pôs o ponto final nestas coisas. Aqui ninguém é dono de nada, pois não temos coisa alguma e nem somos tão “importantes” que exija dono pra tomar conta. O CNPJ, não existe. Senhores do louvor, basta, sabemos que todos são comunidade de adoradores. Se um dia tivermos que ter um lugar fixo para reunir, será apenas um lugar, porque os verdadeiros valores estão nas pessoas. Nossos encontros são apenas com objetivo simples de louvar, orar, ler a Palavra, compartilhar o corpo e o sangue de Jesus e testemunhar Dele. Somos um para o outro, gente de Deus de verdade, onde ninguém precisa ser o que não é. Repito para os amados, não estou mais sobre o povo, mas sim entre eles, mais um caminhando junto. Graça e Paz! Nos encontramos no caminho. Felicidades.

Moacir Melo Morais



8 comentários:

Mario Bragança disse...

Moacir
Eu teria muito a comentar porque vivi historia muito semelhante.
Mas voce ja explicou tao bem.
E por serem tao biblicas , suas opinioes e o retrato da situacao que voce expos, suas palavras e voce tem tanta credibilidade para mim.
Voce nao esta fazendo nada mais do que expor aquilo que a Biblia diz.
Mas vivemos tempos como diz Paulo:

2 Timóteo 4:3-5 Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, 4 e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas. 5 Tu, porém, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

E voce tem cumprido seu ministério. Glória a Deus.

Um grande abraco e Deus continue a dirigir tua vida e a de tua familia. Graca e Paz.

Seu amigo e admirador

Mario Braganca

Rodrigo disse...

Olá, amado!

Estou muito feliz em encontrar outro irmão que está já há mais tempo que eu nessa "nova-velha-jornada", pra aprender e observar o testemunho.

Também liderei uma instituição, mas apenas durante 5 anos. Agora, estou trilhando este novo caminho, na esperança de encontrar aquilo que sempre disse ter, mas que na realidade era apenas fachada em minha vida: uma verdadeira comunhão com Cristo e com meus irmãos.

Que o Senhor te abençoe.

Rodrigo Muniz - Nova Iguaçu - RJ

Luciana disse...

Querido pastor Moacir Morais, a paz e a graça do senhor Jesus esteja com vocês lendo o seu atigo me fez relembrar de muitos acontecimentos ocorridos na época em que trabalhávamos juntos para o Reino de Deus, Sua atitude se sair de um apto luxuoso para um mais simples pra não sobrecarregar a igreja, o trabalho na comunidade do Vietnã pra que todos tivessem tudo em comum, demosntrando amor, carinho e alegria através da sua viola que muitas e muitas vezes era tocada por você,e aquela comunidade regozijava de alegria, isso marcou em mime que hoje eu não vejo a "igreja" fazendo o papel dela, que Deus o abençoe e a toda sua família. Um abraço de Gutemberg (Jaboatão) e família.

carloshteles disse...

Graça e paz para todos.

Eu pensava que eu era o único maluco que estava saindo desta ( rs rs rs rs). Mais é bom saber que mais irmãos estão entendendo o que na verdade é o "evangelho e as instituições" hoje, também trabalhei como pastor durante 12 anos, mais sempre mantive o meu trabalho "secular", hoje mais que nunca tento combater este "comércio escravizador" que tentam fazer da Igreja do Senhor Jesus, tentam sim, porque a verdadeira Igreja entende isso e toma postura como estas, sair do intimo desta corja ( ladrões e salteadores) e viver o evangelho puro e simples do Senhor Jesus, o que me tem dado forças a continuar é saber cada dia que mais pessoas estão entendo isto.

Deus os abençoe.

Carlos H. S. Teles

wagnerwj disse...

Parece que estou lendo minha história, estou há mais de um ano
fora desse sistema, espero esquecer
os absurdos vividos durante esses anos pasados, essas coisas marcam muito a nossa vida. AgorA É TOCAR o barco pra frente.

paz

Wania disse...

Pastor Moacir, graca e Paz! me alegro em te-los como irmaos, amigos mais chegados e conheco voces como amados de Deus. E me regozijo em ver que voce, Fatima e Raissa vivem o verdadeiro evangelho e tem se posicionado ao lado de Deus. Verdadeiros adoradores que onde estao o Senhor é adorado. Que Deus os abencoe mais e mais. Estamos juntos nessa jornada de combater o bom combate e guardar a Fé. Maranata! Jesus vem!

Paulooliver® disse...

MUITO BOM!
Olá Amigo. veja este post em www.paulooliver.com. Artigos
Abraços,

Rita de Cassia disse...

Louvo a Deus por ter me convertido dentro do seu ministério. A semente lançada encontrou terra fértil, mas porque era semente de boa qualidade, vigorosa e saudável ela ainda floresce em minha vida!!
Voce vai ser sempre o meu pastor, o meu pai espiritual...Não posso negar que sinto falta de suas constantes lágrimas derramadas em favor da igreja...
Não há nada que possa vencer um amor verdadeiro.
" E todos os que creram estavam juntos, o bem da vida lhes era comum. Ninguém passava fome ou faltava nada, ninguém sentia o frio da solidão... "
E por toda a eternidade estaremos juntos!!